pe.abra

Enquanto prepara a regulamentação das novas regras para o vale alimentação, o Ministério do Trabalho e da Previdência afirma que as mudanças devem abrir o mercado e estimular a entrada de novas empresas no setor que movimenta R$ 90 bilhões por ano.

Uma das medidas de maior impacto para o setor é a proibição do chamado rebate —desconto que as chamadas tiqueteiras oferecem às contratantes sobre o valor de face dos benefícios.

Paulo Solmucci, presidente-executivo da Abrasel Nacional (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes), afirma que a entidade concorda com parte das mudanças, como a interoperabilidade —mas não com outras, como a portabilidade, que estimularia o mercado de "cashback" (recompensa em dinheiro) para atrair clientes e, com isso, transferiria os custos para os estabelecimentos.

Entre as principais preocupações, no entanto, está a falta de regulamentação do auxílio-alimentação. Para ele, os problemas vistos até agora no vale-alimentação continuariam a ser observados no novo instrumento, impulsionando os custos para os restaurantes. "As empresas estão se movendo em uma velocidade muito rápida [para o auxílio alimentação], está tomando dimensões assustadoras. Então ao invés de o problema ser resolvido está sendo agravado", afirma o presidente da Abrasel.

Solmucci demonstrou ter influência sobre o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ao ser um dos principais articuladores de um programa de socorro aos empresários para não haver demissões durante a pandemia —o que resultou no Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda.

Para Solmucci, esperar que a mudança para restringir o auxílio-alimentação seja feita por projeto de lei pode demorar meses ou até anos. Por isso, ele defende que o governo edite uma MP (medida provisória) para resolver o assunto o quanto antes. "Ou a gente faz isso via MP ou vai ter uma distorção brutal",diz.

Acompanhe a matéria completa:

https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2021/11/novas-regras-do-vale-alimentacao-vao-gerar-concorrencia-em-mercado-de-r-90-bi-diz-ministerio.shtml

Comentários