Sebrae aponta oito saídas para a crise em bares e restaurantes

Instituição mapeou desafios para o segmento que, se superados, podem ajudar as empresas a atravessar o ano sem perdas

O segmento de alimentação fora do lar é um dos que tem sido menos impactados pelas incertezas do momento. Na contramão da crise, a previsão para 2016 é de crescimento de 7,7%, segundo o Instituto de Foodservice Brasil (IFB). No ano anterior, o segmento apresentou alta de 6,2% nas vendas. A projeção do mercado para a inflação deste ano, medida pelo IPCA, está na casa de 7,23%.


No entanto, a insegurança em relação ao cenário econômico brasileiro tem provocado apreensão nos empresários na hora de tomar decisões quanto ao rumo do negócio. Com o objetivo de ajudar o empreendedor a atravessar essa fase, o Sebrae mapeou oito desafios para manter e melhorar o negócio de alimentação fora do lar em 2016. O material está disponível gratuitamente aqui.

Atualmente, o Brasil tem mais de 886 mil pequenos negócios de alimentação fora do lar o que inclui bares, restaurantes, ambulantes, lanchonetes, casas de chá, de sucos, cantinas, buffets e fornecedores de alimentos preparados para empresas e para consumo domiciliar.

“A redução do poder de compra e o aumento do número de desempregados têm, cada vez mais, levado as pessoas a economizar e preparar suas refeições em casa. Para se prevenir e superar eventuais riscos diante da conjuntura atual, os pequenos negócios de alimentação fora do lar devem lançar mão de estratégias a fim de se manterem atraentes e competitivos”, diz a diretora-técnica do Sebrae, Heloisa Menezes. Para o Sebrae, é possível se adaptar e buscar formas de conservar a clientela e, inclusive, expandi-la. Veja as dicas:


1.SEJA MAIS PRODUTIVO E EFICIENTE

Neste momento, rever os processos da empresa, observando pontos de melhorias e analisando formas de redução de custo pode ajudar a melhorar as contas no final do mês. Aprimorar a forma de fazer não quer dizer diminuir a qualidade do seu serviço. É fazer o mesmo ou até melhor, de uma forma mais produtiva.

2. BUSQUE PRODUTOS SUBSTITUTOS

Os restaurantes enfrentam hoje o desafio de manter preço e qualidade diante de um cenário de aumento de custos. Fazer as contas nesse momento e usar a criatividade nunca foram atitudes tão necessárias. Uma alternativa é substituir ou incluir produtos, a fim de preservar o ticket médio do seu cliente. Mantenha opções no seu cardápio que possibilitem ao cliente pagar valores habituais.

3. FORTALEÇA A RELAÇÃO COM SUA EQUIPE E SEUS FORNECEDORES

Fornecedores podem se tornar parceiros e fazerem parte do negócio. A relação ganha-ganha sempre favorecerá seu negócio. Nos momentos difíceis as oportunidades também surgem. Encontrar a forma de aproximação com seus fornecedores, reconstruindo a relação em um formato mais próximo ao da sua empresa, trará benefícios mútuos.

4. OBSERVE NOVAS OPORTUNIDADES E FIQUE ATENTO ÀS MUDANÇAS

Novos modelos de negócios e canais de comercialização surgiram nos últimos anos: festivais gastronômicos, promoção em aplicativos e rede sociais, menus executivos, entre outros. Surfar nessa onda pode ser uma alternativa.

5. PREOCUPE-SE COM O MANUSEIO DO ALIMENTO

Neste momento, mais do que sempre, seu negócio não pode correr risco. Estar atento à RDC n° 216/2004 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o torna mais organizado e limpo na cozinha e no salão. O cliente observa e busca isso.

6. CONTRIBUA PARA A CONSTRUÇÃO DA IMAGEM DA GASTRONOMIA BRASILEIRA

A gastronomia é um dos ativos da cultura de um povo, pois faz parte do seu dia a dia. A busca por vivências e experiências é uma tendência e a comida do lugar é um dos principais atrativos do turismo no mundo. Em tempos de globalização, há uma valorização por vivências locais e únicas. Os empreendimentos que visarem esse diferencial, unindo técnica de cozinha a produtos genuínos, ou seja, autênticos e brasileiros, atenderá à demanda de um público selecionado.


7. ASSOCIE-SE A OUTROS ESTABELECIMENTOS

Tal medida pode te tornar mais competitivo. A união faz a força. Em momentos difíceis, ter parcerias para compras, para realizar promoções, para negociar prazos de pagamento de entrega pode facilitar tanto para você, quanto para o seu fornecedor, que terá um grupo de empresas para pensar entrega e produto. Assim, ambas as partes terão o planejamento e o funcionamento do negócio facilitados.

8. SEJA MAIS PARTICIPATIVO NO AMBIENTE LEGAL

É importante identificar burocracias que podem ser simplificadas para melhorar a performance da atividade e o ambiente legal, buscando associar-se a entidades representativas, e participar das discussões. Atualmente, no Congresso Nacional, no âmbito das Comissões de Turismo e de Cultura, já acontecem discussões sobre projetos de lei que impactam o seu negócio.

 

FONTE: http://www.agenciasebrae.com.br/