Regulamentação dos food trucks no Recife é tema de discussão na Câmara de Vereadores

A regulamentação municipal dos food trucks foi tema de audiência realizada, nesta segunda-feira (14), na Câmara de Vereadores do Recife. Proposto pelo vereador Wanderson Florêncio, representantes da categoria e do Poder Executivo discutiram sobre um marco legal para os serviços móveis de alimentação na capital pernambucana. Um novo encontro foi marcado para a próxima quinta-feira (17).

Na abertura da audiência, Wanderson Florêncio explicou a importância da discussão com a sociedade. "A gente também tem a necessidade de preservar o bom trabalho feito pelos bares e restaurantes. O poder municipal já vem se debruçando sobre o assunto e também queremos obter informações. A audiência de hoje serve para que a gente possa ouvir todos os lados e democratizar as informações”.

A gerente de licenciamento da Secretaria Executiva de Licenciamento e Urbanismo do Recife (SELURB), Mira Meira, e o gerente geral da Secretaria de Turismo e Lazer (SETUR-L) da cidade, João Vinicius Figueiredo, representaram o município no debate. “O food truck é uma realidade e um diferencial no serviço de alimentação na rua. Preparamos uma organização do que pode ser a lei. Além de conversar com os interessados, fazemos pesquisas em outras legislações. A gente quer construir isso junto. Se o Executivo faz uma lei e o Legislativo aprova, mas a sociedade não, a lei nasce morta. Por isso essa audiência é importante”, avaliou Mira Meira.

O diretor-executivo da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes em Pernambuco (Abrasel Pernambuco), Valter Jarocki, fez parte da composição da mesa da audiência e se posicionou a favor da igualdade de deveres. “A atividade tem que ter igualdade. A gente tem que respeitar quem quer trabalhar direito. Não tem que penalizar os food trucks, mas eles têm que respeitar os princípios trabalhistas, legais e algo muito importante para a nossa cidade, que é o ordenamento urbano”, refletiu.

O empresário Daniel Uchoa, representante do Coletivo Comida Sobre Rodas e também membro da APEFTB, utilizou uma apresentação digital para abordar os aspectos econômicos, tributários, sanitários e sociais da operação de food trucks. Ele ainda ressaltou a proposta de retomada do espaço urbano levantada pela atividade. “Estamos tentando utilizar a rua e levar o comércio de alimentos para os moradores da cidade. As filas nos food trucks legitimam esse projeto de uma cidade para pessoas”, expôs Uchoa.

Ao fim do encontro, Wanderson Florêncio propôs a criação de uma comissão e de um cronograma de atividade para a elaboração da lei. “Trago essa ideia da criação de uma comissão entre os setores envolvidos e o poder público como um encaminhamento”, disse o vereador.

Fonte: Portal Folha de Pernambuco