Normal 0 21 false false false PT-BR X-NONE X-NONE

Resumo-análise: Pesquisa de Conjuntura Econômica do Setor de Alimentação Fora do Lar

Periodicidade:

Pesquisa realizada trimestralmente, sendo:

1ª rodada: Analisou o 4º trimestre de 2014 em relação ao 3º trimestre do mesmo ano. As respostas foram coletadas entre 15/02 e 15/03 e 500empresários em todo o Brasil participaram.

2ª rodada:Analisou o 1º trimestre de 2015 em relação ao 4º trimestre de 2014. As respostas foram coletadas na primeira quinzena de maio e 697 empresários em todo o Brasil participaram.


Faturamento:

Enquanto no 4º trimestre de 2014, todas as regiões do Brasil (com exceção do Sudeste) apresentavam crescimento, o que encontramos no 1º trimestre de 2015 é uma queda generalizada.Importante observar que a maior parte desta queda deve-se a uma sazonalidade histórica, na qual o primeiro trimestre do ano apresenta uma redução média de 6% em relação ao último trimestre do ano anterior.

No primeiro trimestre de 2015, a média nacional de faturamento teve uma redução de 8,39% em relação ao último trimestre de 2014.Considerando-se o fator da sazonalidade história, entende-se que a queda real foi na ordem de 2,39%.

Vale ressaltar que o comportamento do setor apresenta variações quando comparamos diferentes regiões e estados. O Nordeste, por exemplo, apresenta um quadro de estabilidade em relação ao faturamento, enquanto o Sudeste aponta queda superior à média nacional, na casa dos 3%.

Quadro de pessoal:

A estabilidade no quadro de pessoal observada no último trimestre de 2014 deu lugar à redução deste no primeiro trimestre de 2015. A média nacional, comparando os dois períodos, é de 4,5% de redução.

Ticket médio

Observou-se que o ticket médio manteve uma tendência de estabilidade. Apesar de uma leve alta ter sido registrada no último trimestre de 2014, houve redução proporcional no 1º trimestre de 2015.Cerca de 60% dos respondentes declararam ter mantido seu ticket médio estável nos primeiros três meses do ano.

Rentabilidade

No primeiro trimestre deste ano, sete em cada 10 empresas declararam ter rentabilidade entre 0% a 10% - dentre essas, metade aponta rentabilidade inferior à 5%. Esses dados contradizem uma rentabilidade média histórica de 10%, verificada em períodos de economia mais favorável.

Investimentos

Diferente do que se poderia esperar, o setor de alimentação fora do lar permanece investindo. Nos períodos avaliados (último trimestre de 2014 e primeiro trimestre de 2015),quatro em cada 10empresários declararam realizar investimentos nos negócios, em ordem superior a 15% do faturamento.

Uma provável explicação é a necessidade de investimentos em maquinários que aumentem a produtividade da operação com objetivo de minimizar as pressões de custo e contingenciar aumentos nos preços de venda, uma vez que o consumidor tem demonstrado dificuldade de absorver qualquer aumento de cardápio.

Reclamações trabalhistas

Quatro em cada 10 entrevistados tiveram pelo menos uma reclamação trabalhista em ambos os períodos analisados. Um em cada cinco participantes da pesquisa registraram mais de duas reclamações neste mesmo período.

Em relação ao montante pago aos reclamantes, três em cada quatro reclamações tiveram o valor até R$5 mil (cinco mil reais).

Segurança nos estabelecimentos

Três em cada dez bares ou restaurantes declarou ter sido assaltado pelo menos uma vez nos últimos três anos. E a cada 20 estabelecimentos, um declarou ter sido assaltado mais de três vezes neste mesmo período.

Previsões anuais

Quadro de Pessoal

O pessimismo em relação ao quadro de pessoal foi uma característica comum dos dois períodos analisados. Mas é possível observar que esse sentimento vem perdendo força neste primeiro trimestre, pois houve redução da expectativa de corte no quadro de pessoal. Possivelmente este empresário esteja levando em consideração que o custo de manutenção de uma mão de obra qualificada é menor do que a dispensa de funcionários e sua recontratação quando necessário.


Ambiente de Negócios e visão do próprio negócio

A previsão do ambiente de negócios sofreu uma leve melhora ao se comparar o 4º trimestre de 2014 e o 1º trimestre de 2015: 31% dos empresários entrevistados na 2ª rodada da pesquisa respondeu acreditar na estabilidade dos negócios este ano em relação à 2014, contra 23% dos que participaram na 1ª rodada.Como consequência desta melhora de humor, embora ainda pessimistas, os empresários do setor reduziram as suas previsões de queda no faturamento, de 8,4% para 6,38%.

Vale destacar que a visão destes mesmos empresários sobre o próprio negócio é bem mais otimista, com queda estimada em apenas 1%, o que pode indicar que o mal humor apurado em relação ao macro cenário possa mais uma influência do ambiente externo do que da realidade vivenciada do próprio negócio.