Ser cuidadoso em cada aspecto do universo do restaurante é importante para que se consiga abrir um negócio e manter-se no mercado em longo prazo. A avaliação é da empresária e chef de cozinha, Ariani Malouf, que ministrou uma palestra durante o 18° Encontro Regional da Abrasel, que acontece em Cuiabá nesta quinta-feira (14). Ela utilizou sua experiência com o restaurante Mahalo para mostrar aos participantes os itens em um restaurante que precisam de atenção, que vão muito além de saber cozinhar.

Além de chefiar a cozinha de seu restaurante, Ariani também coordena a cozinha do Buffet Leila Malouf, de propriedade de sua família, e uma coisa é essencial tanto para atender em grande escala no buffet quanto em escala menor no restaurante: padronização das receitas. “Precisamos ter sempre bons fornecedores, com ingredientes bons e frescos, e nos certificar de que cada cozinheiro não faça alterações nos pratos, sem um consentimento da equipe, se não o cardápio vira um carnaval”, disse.

Uma dica da chef para quem pensa em abrir um negócio no ramo de restaurantes é que se estude o mercado antecipadamente. É preciso planejar e abrir um novo negócio baseado em dados e fatos, utilizando até mesmo instituições do ramo para que se façam pesquisas. Mesmo com uma boa ideia, é preciso pensar, por exemplo, que além do custo de investimento inicial para montar o negócio existe a necessidade de um capital de giro, pois na fase inicial muitas vezes se fecha o mês no vermelho.

A atenção com os clientes também se faz fundamental para que o negócio se mantenha vivo. “Enquanto ele está dentro do restaurante existem muitas possibilidades para que você resolva qualquer tipo de problema que tenha acontecido. Depois que ele está da porta para fora, o estrago está feito”, disse Ariani frisando que manter um sistema com garçons e maitres para que a opinião do cliente chegue até o dono é fundamental na construção da imagem do restaurante.

 

Sobre boas práticas com relação à sustentabilidade, a chef ainda destacou a importância de evitar o desperdício. Segundo ela, uma boa dica é procurar criar receitas que utilizem não só as partes mais nobres de carnes, por exemplo, mas que sejam utilizadas partes menos valorizadas em sopas ou outros pratos que as comportem. “No Mahalo é desperdício zero, eu até olho o lixo de vez em quando para ver o quanto estamos desperdiçando de comida”, afirmou Ariani Malouf. (Com assessoria)


Fonte : http://www.gazetadigital.com.br/conteudo/show/secao/2/materia/403224